Coração e Vida | Dia Mundial da Obesidade: 650 milhões de pessoas sofrem com o problema no mundo - Coração e Vida

Coração e Vida

Dia Mundial da Obesidade: 650 milhões de pessoas sofrem com o problema no mundo

De acordo com estimativa da OMS, até 2025, mais de 2 bilhões de adultos deverão estar com sobrepeso, e mais de 700 milhões obesos

4.03.2020 | por Equipe Coração e Vida
shutterstock_348926726_obesidade

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde e Ministério da Saúde, somente no Brasil são mais de 40 milhões de pessoas vivendo com a doença FOTO: shutterstock


Por Marina Rocha

A partir desse ano, o dia 4 de março é marcado como o Dia Mundial da Obesidade. É uma data importante para lembrar que o excesso de gordura corporal é doença e o problema deve ser tratado.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 650 milhões de pessoas estão obesas. De acordo com estimativa da OMS, até 2025, mais de 2 bilhões de adultos deverão estar com sobrepeso, e mais de 700 milhões obesos. Somente no Brasil, são mais de 40 milhões de pessoas com a doença. De acordo com o Ministério da Saúde, a condição é crescente.

Para a Federação Mundial da Obesidade, trata-se de uma epidemia global que precisa de soluções mais abrangentes — uma vez que a condição diminui a qualidade de vida e favorece o desenvolvimento de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão arterial, trombose, câncer, entre outras.

Mais: 
Brasil quer reduzir em 30% o consumo de refrigerante e frear obesidade até 2019

Endocrinologista do Hospital Sírio-Libanês, Claudia Cozer Kalil explica que uma pessoa é obesa quando seu índice de massa corporal (IMC) é maior que 24 – para calcular o IMC, é preciso dividir o peso pela altura ao quadrado. Pacientes com excesso de gordura corporal tendem a ter um aumento de substâncias neuro-hormonais que estimulam um processo inflamatório crônico no organismo, além do efeito mecânico da obesidade sobre as articulações.

A especialista destaca, ainda, que prevenir a obesidade é o melhor caminho e a conscientização deve começar cedo. “A população precisa ter acesso a orientações práticas saudáveis para a vida diária, com cobertura para tratamento multidisciplinar, políticas de rótulos mais esclarecedoras e abordagem objetiva dos impactos sociais e orgânicos da obesidade”, analisa. “Maus hábitos alimentares na infância colaboram para o desenvolvimento da obesidade ao longo da vida”, complementa.

Mais:
Diabetes: obesidade apresenta maior risco para doença que fatores genéticos

A adoção de hábitos alimentares considerados saudáveis, como a escolha de ingredientes naturais, além da opção por refeições ricas em verduras e legumes, contribuem para um estilo de vida saudável. Evitar alimentos ultraprocessados, controlar o consumo de gorduras, sal e açúcar, faze parte das orientações para manter a boa saúde.

A prática de atividade física também é essencial. “E é muito importante saber balancear a alimentação e exercícios, sem atrapalhar a convivência social e alguns prazeres”,  Claudia Cozer Kalil.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.