Coração e Vida | Endometriose: 6 sintomas que não devem ser ignorados

Endometriose: 6 sintomas que não devem ser ignorados

Doença progressiva que pode causar infertilidade; conheça alguns sinais de endometriose

12.09.2018 | por Equipe Coração e Vida

Por Daniela Spilotros

Quem se lembra das aulas de reprodução humana na escola sabe: todos os meses, o útero se prepara para receber um óvulo fertilizado e, se a gravidez não ocorre, o endométrio (tecido que reveste a parede uterina) descama, sendo eliminado na menstruação. Na endometriose, esse ciclo não se cumpre.

A doença é caracterizada pela presença do endométrio em outros órgãos – ou seja, esse tecido desloca-se do útero para os ovários, bexiga, intestinos e outros locais.

O distúrbio, que atinge entre 5% e 15% das mulheres na fase reprodutiva e costuma ser diagnosticado na faixa dos 30 anos, é uma das principais causas de infertilidade feminina. Mauricio Simões Abrão, professor associado e responsável pelo setor de Endometriose do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, alerta sobre os principais sintomas, confira:

Dor pélvica entre as menstruações é um dos sintomas relacionados a endometriose - Foto: Freepik

Dor pélvica entre as menstruações é um dos sintomas relacionados a endometriose – Foto: Freepik

– Cólica menstrual: conhecida como dismenorreia, é a cólica severa ou incapacitante, que afasta a mulher de suas atividade;

– Dor na relação sexual: também chamada dispareunia, é uma dor geralmente provocada pela penetração profunda, quando o pênis toca o fundo da vagina;

– Infertilidade: a dificuldade para engravidar é um forte sinal da doença;

– Dor pélvica acíclica: dor entre as menstruações, que pode ser intermitente ou persistir durante dias;

– Dor para urinar: esse desconforto ocorre geralmente durante o período menstrual;

– Dor para evacuar: mais comum durante a menstruação, pode acompanhar alguma alteração intestinal, como diarreia ou prisão de ventre.

Tem como prevenir?

Como a endometriose tem causas desconhecidas, e cerca de 10% das pacientes são assintomáticas, a detecção precoce é a melhor forma de prevenir complicações. “Quanto antes for diagnosticada, maiores são as chances de sucesso do tratamento, podendo-se evitar a infertilidade e quadros mais severos, como a necessidade de histerectomia, a retirada do útero”, explica o médico.

Ao notar qualquer um dos sintomas, não hesite em procurar o ginecologista para avaliação e acompanhamento desses sinais, pois a doença é progressiva e atinge três esferas: superficial, ovariana e profunda, de acordo com os órgãos envolvidos.

E Abrão finaliza com um alerta: vários estudos associam a endometriose ao estresse e à deficiência do sistema imunológico, entre outros fatores. “Por isso, ao falar em prevenção, devemos estimular a melhora da qualidade de vida, o que envolve cuidados não só com alimentação e atividade física, mas, sobretudo, com a saúde emocional da mulher”.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.