Coração e Vida | Entenda o que é biópsia líquida, um identificador de tumores - Coração e Vida

Entenda o que é biópsia líquida, um identificador de tumores

Não-invasivo, o exame é capaz de diferenciar os tipos de câncer por meio do sangue

15.05.2018 | por Eli Pereira - Equipe Coração e Vida

A ciência busca evitar cada vez mais técnicas para evitar exames invasivos. A bola da vez é a biópsia líquida – que, em vez de retirar uma parte do tumor para identificação, coleta sangue para verificar o tipo de câncer em atividade e direcionar, então, o tratamento.

O exame é indicado principalmente quando não há possibilidade de fazer biópsia no tumor ou quando o acesso a ele é difícil.

“Não se usa para todos os tipos de câncer”, explica Ciro Martinhago, geneticista da Chromossome Medicina Genômica. “O exame é usado quando se sabe que há um tumor, mas não é simples diferenciar o tipo”.

Feito com coleta sanguínea, o exame indica tipos de câncer. Foto: Shutterstock

Feito com coleta sanguínea, o exame indica tipos de câncer. Foto: Shutterstock

Como é feito

O médico conta que são os oncogeneticistas os responsáveis por essa detecção. “Os testes são oferecidos dentro dos centros de oncologia. Não é ideal fazer o exame sem passar pelo geneticista”, diz, ressaltando que o exame não é de diagnóstico, mas sim de identificação do tipo de câncer.

Martinhago explica que os geneticistas procuram traços do DNA do tumor que circula no sangue do paciente. “Pegamos o plasma do sangue, e ele carrega uma quantidade maior de DNA do câncer do que o DNA do próprio paciente, porque o câncer é mais ativo”, conta. “Com isso, encontra-se a mutação do DNA do câncer”.

 

Vantagem

Quando bem indicado pelo oncologista, a principal vantagem da biópsia líquida é que não é invasiva – basta coletar um pouco de sangue, como um exame de rotina. Além disso, diminui o risco de metástase, por não mexer em tumores que estão encapsulados.

 

Origem do exame

O geneticista conta que a biópsia líquida surgiu a partir do mesmo princípio do exame de sexagem fetal, em que se identifica o DNA do bebê no sangue materno. “Curiosamente, quando as empresas começaram a comercializar esse exame, descobriu-se um câncer em uma paciente por conta disso”, conta.

Com o resultado do exame em mãos – que identifica qual o tipo de tumor e ajuda a encontrar o tipo de tratamento indicado, escolhe-se então o melhor medicamento para o tratamento.

 

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.