Coração e Vida | Entenda quando vale a pena interromper a menstruação

Entenda quando vale a pena interromper a menstruação

Ginecologista esclarece riscos e benefícios associados à decisão

25.10.2018 | por Equipe Coração e Vida

Por Thassio Borges

Ainda que conte com auxílio profissional, parar de menstruar ou não deve ser uma decisão particular de cada mulher. É preciso levar em consideração seus hábitos, suas necessidades e seu quadro clínico, principalmente porque os riscos e benefícios da interrupção nem sempre são claros. Essa intervenção é feita por meio do hormônio progesterona, e sempre com acompanhamento médico.

De acordo com o ginecologista Renato Kalil, diretor clínico da Clínica Ginecológica e Obstétrica Kalil, a interrupção da menstruação atualmente é sugerida especialmente para alguns grupos de mulheres, ainda que a técnica não esteja restrita a eles.

Parar de menstruar pode ser útil no caso de endometriose, por exemplo - Foto: Shutterstock

Parar de menstruar pode ser útil no caso de endometriose, por exemplo – Foto: Shutterstock

“Parar de menstruar é indicado principalmente para mulheres com fluxo menstrual aumentado ou com um tipo de transtorno pré-menstrual (TPM) incapacitante, de alto incômodo. Também é recomendável para atletas e mulheres que desenvolvem anemia quando sangram”, esclarece.

Além disso, o especialista chama a atenção para os benefícios de interromper o fluxo menstrual mensal quando há endometriose. De acordo com ele, a endometriose pode ser definida como a patologia do século no que diz respeito especificamente às mulheres.

“E qual é o tratamento disso? É a mulher não menstruar. Quanto mais ela menstrua, mais esse sangue volta pelas trompas. E se ela tiver geneticamente a propensão, associada ao aumento do stress no cotidiano, a chance de desenvolver endometriose é alta”, complementa Kalil.

Tire suas dúvidas sobre a endometriose

Riscos

Os principais riscos de parar de menstruar são por causa dos hormônios. Conforme explica o ginecologista, usar anticoncepcional, ainda que em baixa dose, traz riscos para o desenvolvimento de trombofilia, conhecida popularmente como trombose.

Quando associado a hábitos como tabagismo, por exemplo, o risco de fenômenos tromboembólicos (trombose, AVC, embolias) aumenta. Além disso, quando os anticoncepcionais ou hormônios, de forma geral, são administrados pela boca (via oral), aumenta-se também os efeitos colaterais a eles relacionados.

Isso porque, nesse tipo de administração do medicamento, ocorre uma passagem dupla pelo fígado. A primeira serve para “quebrar” o remédio e permitir que ele entre na circulação. Na segunda passagem, o objetivo é metabolizar a substância e excretá-la posteriormente pelo rim ou intestino.

Ainda de acordo com Kalil, as pílulas mais modernas para interromper a menstruação não são compostas por estrógeno e progesterona. A composição atual considera apenas a progesterona, e isso é essencial para diminuir os riscos associados aos medicamentos.

“Quanto menor a dose [de hormônio], menor o risco. Quanto mais se evitar o uso de estrógeno, menor será o risco. Os melhores métodos são compostos por progesterona contínua, em doses baixas”, explica o médico. Como a via oral já não é mais recomendada, recomendam-se outros métodos, como, por exemplo, o intravaginal.

O próprio risco de trombose diminui quando se opta pelas pílulas (ou demais tratamentos) compostas apenas de progesterona, sem estrógeno. Tudo, no entanto, deve ser usado com cautela e conhecimento, a partir do auxílio de um médico especializado no assunto.

Gravidez

Kalil também rechaça possíveis efeitos da interrupção da menstruação com a vontade futura da mulher de engravidar. De acordo com ele, o uso prolongado de pílulas apenas com progesterona não impede a ovulação.

“Essa é a vantagem. O ovário não para de trabalhar. A única coisa é que o útero, o endométrio, não ‘espessa’, e com isso não há sangramento. [A interrupção] não interfere em nada. Pelo contrário, a mulher fica mais protegida para uma futura gestação. Sem sangrar, a mulher não terá endometriose. Consequentemente, não terá nada que prejudique a trompa no momento em que desejar engravidar”, finaliza.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.