Coração e Vida | Enxaqueca começa a ser compreendida - Coração e Vida

Enxaqueca começa a ser compreendida

Doença afeta mais mulheres do que homens – e a razão está nos hormônios

26.06.2018 | por Equipe Coração e Vida

Uma pesquisadora da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, parece ter encontrado um motivo para explicar porque a enxaqueca é mais comum nas mulheres.

De acordo com o estudo liderado por Emily Galloway e apresentado durante o Encontro Anual de Biologia Experimental de San Diego, a alta taxa de enxaquecas entre as mulheres decorre da forma como as flutuações do hormônio estrogênio afetam as células do cérebro.

Flutuação dos hormônios femininos é uma das causas da enxaqueca em mulheres

Flutuação dos hormônios femininos é uma das causas da enxaqueca em mulheres

O estrogênio é relacionado ao controle da ovulação e ao desenvolvimento de características tidas como femininas. Seu desenvolvimento tem início na adolescência – e é sua ausência que costuma provocar sintomas de calor excessivo em mulheres durante a menopausa.

 

Resposta menor em mulheres

Talvez até pior do que a incidência seja o fato de as mulheres, na maior parte das vezes, não conseguirem tirar proveito dos tratamentos atuais contra a doença.

O estudo de Galloway analisou a quantidade de NHE1 (substância responsável pela troca de sódio entre as células cerebrais) em ratos machos e fêmeas. Já se sabia que quando o NHE1 não está presente em quantidade suficiente (ou tem problemas de funcionamento), ocorre maior incidência de dores de cabeça, evoluindo principalmente para casos de enxaquecas.

A cientista observou que o cérebro dos machos tinha quatro vezes mais NHE1 do que o das fêmeas. Além disso, verificou que, nas fêmeas, quanto maior o índice de estrogênio, menor era a quantidade de NHE1.

A conclusão foi que, no cenário observado, as fêmeas tinham chance muito maior de desenvolver enxaqueca e não responderiam aos tratamentos convencionais devido à alta taxa de estrogênio.

 

Os números no Brasil

De acordo com o último Protocolo Nacional divulgado pela Sociedade Brasileira de Cefaleia, cerca de 16% dos brasileiros têm enxaqueca. E a incidência entre os homens e mulheres é mesmo muito distinta: 22% na população feminina e 9% na população masculina. Nos Estados Unidos, três em cada quatro pacientes com enxaqueca são mulheres.

A doença, caracterizada como uma dor de cabeça pulsante (como se a cabeça latejasse), causa crises que duram de 4 a 72 horas. Um dos principais problemas da enxaqueca é ser altamente incapacitante, pois pode ser acompanhada de intolerância à luz ou ao som – e, em alguns casos, trazer também náuseas e vômitos.

A cada quatro pacientes, um costuma desenvolver um tipo mais agressivo de enxaqueca, que inclui a chamada aura, um distúrbio visual momentâneo que pode comprometer a visão do paciente.

 

Tratamentos possíveis

Como ainda não existe cura para a enxaqueca, o controle costuma ser paliativo, buscando aliviar a dor e o desconforto.

Como as mulheres sentem menor resposta à maioria dos medicamentos, a pesquisa de Emily Galloway – cujos testes serão estendidos em breve para humanos – é uma esperança de evolução nos tratamentos.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.