Coração e Vida | Glúten: a bola da vez nutricional

Glúten: a bola da vez nutricional

Nunca se falou tanto sobre comer ou não comer alimentos que contenham essa substância

26.01.2016 | por Equipe Coração e Vida

Se você visita regularmente o mercado já deve ter notado, de dois ou três anos para cá, um aumento considerável do espaço para produtos “livres” de glúten. Essa ala dos alimentos “mais saudáveis, orgânicos, menos sódio, mais ômega-3” ganhou atenção dos varejistas e dos consumidores. E glúten talvez seja a palavra mais estampada em caixinhas e pacotes do que todas as outras – a ponto de itens que antes só eram comercializados com prescrição médica ou em lojas especializadas terem se tornado hits de vendas.

Especial do mês: Proteína é fundamental à dieta
As 10 melhores dietas para 2016
Confira dicas para cortar alimentos de origem animal
40 dicas para voltar ao peso ideal
Adotar vegetarianismo exige cuidados, não siga por “moda”
“Tomava açaí na mamadeira”, afirma Kyra Gracie
Suco de uva traz mais saúde
Dieta Mediterrânea reduz risco de obesidade e câncer

Artigo: Como perder peso de forma saudável
Você sabia… Que alguns alimentos viciam?

Produtos sem glúten acabam sendo propagandeados com a imagem de “mais saudáveis”, “naturais”. É pão sem glúten, bolo sem glúten, molho sem glúten – e até alimentos que tradicionalmente não contêm mesmo a substância agora são vendidos avisando sobre isso. Mas e aí? Uma dieta sem glúten pode ser adotada, assim, de um dia para outro?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Restrição da moda

Nos últimos anos, o mercado de produtos sem glúten explodiu – um pouco graças a livros (um tanto alarmistas) que ligaram a substância ao surgimento de autismo, depressão, Alzheimer, esclerose múltipla, diabetes e outras questões de saúde. Em 2013, a atriz norte-americana Gwyneth Paltrow revelou que tinha posto a família toda em uma dieta livre de glúten, “curando” a eczema do filho dela. Artigos de jornal debateram a questão – e, provavelmente, toda essa comoção pareceu bastante irritante para aqueles que sofrem, de fato, de doença celíaca, uma reação que acontece no organismo de algumas pessoas ao consumir glúten.

Uma vida sem o glúten precisa ser bem planejada – com acompanhamento médico. Fazer uma dieta assim é algo que as pessoas só precisam necessariamente adotar se for diagnosticada a doença autoimune que impede o corpo de processar a substância.
20160126-box-glutenNão é simplesmente o suficiente evitar o pão, massas e bolos: o glúten pode ser encontrado em molhos, cubinhos de caldo pronto, doces e uma vasta gama de produtos. É vital para as pessoas com doença celíaca evitarem – porque seu sistema imunológico reage ao glúten, danificando o intestino delgado e impedindo a absorção de nutrientes, podendo causar anemia, muita perda de peso, fadiga, inchaços e dores.

Mas hoje, quando se pensa sobre o glúten, que é basicamente apenas uma proteína que se encontra na cevada, centeio e trigo, muita gente associa com ganho/perda de peso o fato de comer/não comer alimentos que contenham a substância. Não é bem assim.

“O glúten, em si, não tem relação direta com a perda de peso”, diz Mariana Casseb, nutricionista do InCor (Instituto do Coração) do Hospital das Clínicas da FMUSP.

“Não há estudos comprovando que ele atua sobre isso. O que acontece é que, evitando alimentos com certas farinhas refinadas, a perda de peso acaba acontecendo. Mas não é um quadro direto: ao abandonar o glúten e apostar em outros alimentos, pode-se até ganhar peso”, explica.

Abaixo, listamos algumas questões a levar em conta para decidir sobre o glúten.

Nem sempre tão “saudável”

Quando se olha para os rótulos de produtos sem glúten, vale notar que muitos podem conter doses mais elevadas de calorias e gorduras do que outros alimentos que contenham glúten.

Mariana Casseb reforça a necessidade do acompanhamento clínico. “Não é correto fazer qualquer grande mudança na alimentação sem pedir ajuda profissional. O pior dessa dieta é que muita gente sustitui os alimentos com glúten por outros, como farinhas de mandioca ou de arroz – mas é importante saber que elas têm carboidratos refinados que elevam o índice glicêmico. O que pode ser prejudicial para pessoas pré-diabéticas, por exemplo.”

Certifique-se do seu diagnóstico pessoal

A doença celíaca é diagnosticada por profissionais da saúde com exames e observando o histórico de cada indivíduo. “Hoje, vemos muitos casos também de pessoas sensíveis ao glúten, mesmo não sendo um quadro clássico de doença celíaca”, diz a nutricionista.

Assim, retirar certos alimentos por algum tempo ajuda a saber se sintomas como diarreia, gases e dores abdominais vão embora, o que pode apontar a sensibilidade. Mas, ainda assim, não é algo para se “pesquisar” sozinho. “Um nutricionista retira certos itens da dieta, mas inclui outros, para aquela pessoa ter, ainda assim, uma dieta equilibrada na qual não faltem elementos essenciais.”

Deficiência de vitaminas e minerais

A princípio, trigo, aveia, cevada ou centeio já não são muito ricos em vitaminas e minerais, mas cortar também as versões integrais pode ser mais grave, pois assim fica empobrecida a absorção de selênio, magnésio, manganês, vitaminas do complexo B.

“Em vez de cortar o glúten, talvez a maioria das pessoas devesse manter os integrais e variar bastante a alimentação. Não enjoa e faz mais sentido nutricional”, lembra Mariana Casseb.

Leia bons textos

Se for ler sobre o assunto, tente variar as opiniões e não dar tanta atenção a livros e artigos que apontem só um lado da questão ou escritos por pessoas não-especializadas em medicina e nutrição.

Peça, inclusive, dicas de leitura justamente para o médico ou nutricionista que fizer seu acompanhamento. “Quem busca uma vida mais saudável deve focar na reeducação alimentar, não apenas em mudanças drásticas. Dá mais trabalho, mas é muito mais valoroso”, finaliza a nutricionista.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.