Coração e Vida | Gripe: virus influenza pode levar a óbito

Gripe: vírus influenza pode levar a óbito. Pneumologista enfatiza a importância da vacinação

Estados brasileiros receberam 63,7 milhões de doses, mas a adesão à imunização ainda é baixa

19.05.2019 | por Equipe Coração e Vida

 

Foto: Shutterstock

A imunização contra a gripe/influenza é segura, feita com vírus inativado, ou seja, mortos e, portanto, sem capacidade de provocar a doença. Foto: Shutterstock

A Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe/influenza termina no dia 31 de maio, e o Ministério da Saúde espera imunizar 59,5 milhões de pessoas, ou 90% de cada grupo tido como prioritário. São eles: adultos com mais de 60 anos, crianças menores de seis anos, gestantes, e pessoas com doenças crônicas (diabetes, obesidade e doenças cardiorrespiratórias, entre outras).

Somente neste ano, o governo destinou 63,7 milhões de doses, a 41,8 mil postos de vacinação de todos os Estados do país. No Brasil, a imunização contra a gripe/influenza é segura, feita com vírus inativado, ou seja, mortos e, portanto, sem capacidade de provocar a doença. Mas a adesão à imunização ainda é baixa. De acordo com o Ministério da Saúde, até o momento, apenas 56% do público-alvo buscou a vacina.

Tida como doença sazonal, cuja incidência se dá no outono e inverno, a gripe/influenza é uma infecção aguda do sistema respiratório, provocado pelo vírus da influenza. Causada por mais de um tipo, são classificados de ‘influenza A’, ‘influenza B’ , entre os vírus predominantes, mas também há incidência dos tipos C e D — e cada um possui subtipos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que cerca de 10% da população é infectada anualmente, e que 1,2 bilhão de pessoas apresentam risco elevado para complicações decorrentes da doença.

Somente neste ano, até o momento, foram registrados 535 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave, que é quando a gripe/influenza evolui para um cenário mais crítico.

Mais:
Outono-inverno e a temporada de doenças respiratórias

“Estamos entrando na época do ano em que os vírus se proliferam com mais facilidade e a influenza pode, sim, atingir níveis graves”, explica o pneumologista do Instituto do Coração (InCor – HCFMUSP), ligado à Universidade de São Paulo, Carlos Carvalho. “Somente a vacina é capaz de prevenir estes vírus causadores de complicações que podem até levar a óbito”, enfatiza.

A vacina produzida para 2019 teve mudança em duas, de três, cepas, e protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no Hemisfério Sul, no último ano — de acordo com determinação da OMS.

Não perca tempo. Proteger-se com a vacina é essencial.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.