Coração e Vida | Homens ainda têm poucas opções de contraceptivos

Homens ainda têm poucas opções de contraceptivos

Vasectomia continua sendo o único recurso de longo prazo

24.02.2016 | por Equipe Coração e Vida

A responsabilidade pela contracepção não é do homem nem da mulher, mas sim do casal. Ainda assim, os homens não dispõem de um medicamento anticoncepcional ou de alguma técnica de reversão fácil como as mulheres.

Especial do mês: Vai se divertir no Carnaval? Deixe a camisinha participar da festa
Mitos e verdades sobre estimulantes sexuais

Artigo – Diversão com responsabilidade
Você sabia… Que a atividade sexual é um dos índices indispensáveis para medir o nível de qualidade de vida?

A pílula, que trouxe mais liberdade sexual para as mulheres, ainda é algo distante da realidade masculina. Isso porque é praticamente impossível zerar com um medicamento a gigantesca quantidade de espermatozoides produzida diariamente (mais de 100 milhões).

“Como a produção de espermatozoides é na ordem de milhões ao dia, esses medicamentos teriam que garantir de forma efetiva e segura que não haveria espermatozoides suficientes no sêmen para engravidar as parceiras. É difícil bloquear todos”, explica o urologista Fernando Lorenzini, membro da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU).

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Segundo Lorenzini, foram realizados vários estudos utilizando o bloqueio hormonal da produção de espermatozoides, mas o método possui efeitos colaterais indesejados, como a supressão da produção natural de testosterona. ”Isso, a longo prazo, pode atrofiar os testículos.”

O que sobra é o preservativo, o coito interrompido – com altíssimo risco de falha – e a vasectomia.

“O coito interrompido tem índice de falha muito alto e não deve ser utilizado. Já o preservativo é um método muito prático, de fácil utilização, mas que requer alguns cuidados para que não rompa ou que não fique dentro da vagina”, ressalta o médico.

A opção da vasectomia, que é mais invasiva, por se tratar de uma cirurgia, é atualmente a única alternativa de contracepção de longo prazo, mas é um procedimento um tanto radical para quem não tem certeza se quer ou não ter filhos no futuro.

A cirurgia deixa o homem estéril, pois interrompe a passagem dos espermatozoides pelo canal deferente, que é o duto responsável por armazenar e levar os espermatozoides até a uretra.

A vasectomia pode ser revertida, mas os médicos recomendam que o procedimento só seja realizado caso o paciente esteja convicto de que não quer mais filhos, porque a reversão pode não ser bem sucedida.

“É possível sim reverter a vasectomia, utilizando-se técnicas de microcirurgia. Os índices globais de sucesso são de 30 a 80%, dependendo do tempo transcorrido entre a cirurgia e a reversão, do tipo de técnica da vasectomia, das condições individuais de cada paciente e também da habilidade do urologista. Existem relatos de reversões de vasectomias realizadas há mais de 25 anos que deram certo”, diz Lorenzini.

Novas técnicas

O futuro pode trazer mais opções de contracepção para os homens, pois algumas técnicas novas já estão em estudo.

Uma ONG americana de pesquisa médica divulgou que começará a experimentar neste ano em seres humanos o medicamento Vasalgel, uma injeção contraceptiva para homens.

Trata-se de uma solução gelatinosa injetada no aparelho reprodutor masculino para bloquear a passagem dos espermatozoides. A solução promete funcionar a longo prazo e de forma reversível.

Uma outra técnica tem sido estudada na Indonésia, na Universidade de Airlangga em Surabaia. Os pesquisadores da universidade avaliam se uma planta, conhecida como gendarussa, é capaz de interromper os processos de fertilização, impedindo que os espermatozoides liberem uma enzima capaz de romper a barreira do óvulo. Ela seria ingerida em forma de pílula.

Como essas alternativas ainda não estão disponíveis, os homens estão recorrendo cada vez mais à vasectomia. Prova disso é que o número de cirurgias feitas no Brasil pelo SUS cresceu 300% entre 2001 e 2013. 24 mil homens fizeram o procedimento em 2013, contra 7,7 mil que recorreram à vasectomia em 2001.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.