Coração e Vida | Março azul-marinho: saiba mais sobre o câncer colorretal

Março azul-marinho: saiba mais sobre o câncer colorretal

Segundo de maior incidência entre as mulheres e terceiro entre homens, prevenção e detecção precoce são fundamentais no câncer colorretal

12.03.2019 | por Eli Pereira - Equipe Coração e Vida

Este mês é celebrado o março azul-marinho, mês de conscientização e prevenção do câncer colorretal, que afeta mais de 35 mil brasileiros por ano, sendo a segunda causa de câncer na mulher e terceira em homens. A boa notícia é que 70% desse tipo de câncer, que afeta o cólon – que é a parte final do tubo digestório – pode ser evitado com bons hábitos de vida, como boa alimentação, exercícios físicos e abandono do cigarro. Outros 30%, porém, vêm da hereditariedade, e aí o ideal é sempre diagnosticar ainda no início, quando as chances de cura são altas.

De acordo com Ulysses Ribeiro Junior, coordenador cirúrgico do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) e professor associado de cirurgia do aparelho digestivo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), 70% dos casos de câncer colorretal está associada a um estilo de vida ruim, como sedentarismo, obesidade, consumo de álcool, tabagismo e alimentação pobre em fibras e vegetais.

Má alimentação é o fator principal para o surgimento da doença - Foto: Shutterstock

Má alimentação é o fator principal para o surgimento da doença – Foto: Shutterstock

“A dieta do fast food é muito ruim porque é pobre em fibras e rica em gorduras e carne vermelha. Ela provoca constipação, e com isso as substâncias nocivas ficam mais tempo em contato com o intestino, o que pode desequilibrar a microbiota intestinal e levar a um tumor no futuro”, explica o especialista.

Outro fator que favoreceu o aumento dos casos de câncer foi o envelhecimento da população. “É um câncer que aparece normalmente depois dos 50 anos e, quem teve hábitos ruins durante a vida ou têm doenças inflamatórias do intestino, como retocolite ulcerativa ou doença de Crohn, estão em maior risco”, diz Ribeiro.

O oncologista conta também que até 30% do câncer colorretal é provocado por alterações genéticas herdadas dos pais. Nesse caso, além de manter bons hábitos alimentares e de vida, é preciso também acompanhar mais de perto para detectar precocemente.

Para prevenir, o ideal é reduzir a ingestão de gordura a no máximo 30% das calorias ingeridas no dia, evitar embutidos e maneirar no consumo de carne vermelha, consumindo no máximo 70g por dia.

“Aumentar o consumo de fibras também é importante, principalmente das fibras solúveis, aquelas em que a água consegue penetrar e aumentar de tamanho e estão presentes no trigo integral, farelo de aveia, mamão, melão, melancia, laranja e outras frutas”, aconselha o médico. Essa medida melhorará o trânsito intestinal, impedindo a constipação.

Por último, Ribeiro aconselha caprichar no consumo de verduras e legumes, parar de fumar, não exagerar na bebida alcoólica, e, claro, praticar atividade física e manter-se no peso ideal.

Detecção precoce é fundamental

 A gênese do câncer colorretal é silenciosa. “Os tumores, na grande maioria, nascem a partir de pólipos, que são como verrugas que nascem no interior do intestino. Se fazemos um rastreamento disso, principalmente em pessoas acima dos 50 anos, podemos retirar essa lesão e impedir que ela se transforme em câncer”, explica o oncologista do Icesp.

O primeiro exame necessário para investigar como está a saúde lá dentro do intestino é o teste de sangue oculto nas fezes. “Quando os pólipos que podem se transformar em tumores estão maiores que um centímetro, eles começam a sangrar. Se identificamos sangue oculto nas fezes, passamos para uma próxima fase, que é a indicação do exame de colonoscopia para avaliar melhor”, detalha Ribeiro.

Se os pólipos forem detectados, o tratamento já é feito, evitando o surgimento do câncer. Quem, porém, tem indivíduos na família que tiveram câncer colorretal tem de ficar mais atento sobre quando começar esses exames de detecção precoce. Em muitos casos, a pesquisa de sangue oculto nas fezes começa anos antes dos 50.

A detecção precoce é importante porque, para um pólipo crescer e virar um tumor, é necessário em média de três a cinco anos, explica o oncologista. “É o intervalo de tempo que precisamos fazer o teste do sangue oculto, a colonoscopia, detectar a alteração e intervir”.

No caso de quem tem casos na família de câncer colorretal, esse intervalo de três a cinco anos pode ser encurtado com a orientação médica, pois as lesões podem crescer com mais rapidez.

Detecção precoce é falha no Brasil

 De acordo com o coordenador cirúrgico do Icesp, cerca de 50% dos casos de câncer colorretal que chegam à instituição já estão em estado avançado e com metástase. Quanto mais o tumor se infiltra na parede do intestino, maior a chance de a doença se espalhar para o fígado, peritônio, pulmão, entre outros locais.

“Estamos falhando na detecção precoce”, preocupa-se o médico. “Se pudéssemos oferecer o teste de sangue oculto a todos acima de 50 anos, o benefício seria muito grande. Esse cálculo inclusive foi comprovado em vários trabalhos internacionais”, detalha Ribeiro.

Com isso, o alto custo de quimioterapias, radioterapias e cirurgias poderiam ser evitados, além de proporcionar maior qualidade de vida e conscientização para quem está em risco ou desenvolvendo um tumor.

+ Leia mais: Entenda o porquê de uma boa alimentação proteger contra o câncer

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.