Coração e Vida | Médico e ex-secretário, Gonzalo Vecina emagrece 70 quilos e controla diabetes - Coração e Vida

Médico e ex-secretário, Gonzalo Vecina emagrece 70 quilos e controla diabetes

Cirurgia bariátrica não vale apenas para perder peso, mas também para controlar a glicemia

5.01.2018 | por Eli Pereira - Equipe Coração e Vida

Gonzalo Vecina Neto passou boa parte da vida carregando um peso extra. O médico e fundador da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ex-secretário municipal de Saúde, ex-secretário Nacional da Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde e ex-superintendente do Hospital Sírio-Libanês, chegou a pesar 160 quilos e esteve sob a mira das consequências de um diabetes descontrolado.

Depois de bastante reflexão, decidiu, aos 63 anos, fazer a cirurgia bariátrica, especificamente a gastrectomia vertical, ou Sleeve, procedimento por videolaparoscopia e menos agressivo do que o tão popular bypass gástrico. Decisão lenta e cuidadosa, já que a cirurgia também envolve aspectos psicológicos: a pessoa nunca mais conseguirá comer na quantidade de antes.

Gonzalo Vecina antes e depois da cirurgia - Foto: Montagem

Gonzalo Vecina antes e depois da cirurgia – Foto: Montagem

Um ano e meio depois, 70 quilos foram embora e agora Vecina carrega 90 quilos distribuídos em 1,70 metro de altura. O diabetes? Deu adeus rapidamente após a cirurgia.

“Foi uma decisão muito bem pensada, porque a bariátrica é uma cirurgia muito disruptiva, muito violenta. Eu resolvi fazer por causa do controle do diabetes. Não estava preocupado com o peso, mas sim com o diabetes que não estava conseguindo controlar”, conta o médico.

Depois de três dias de internação, Vecina teve alta e já estava preparado psicologicamente para a nova fase, que é a readequação da alimentação. “Antes eu fazia apenas uma refeição por dia, agora passei a ter três refeições, com pouco carboidrato e pouco volume”, conta.

A atividade física, que antes não fazia parte da rotina, agora ganha espaço de três a quatro vezes por semana. “A qualidade de vida melhorou muito.”

Cirurgia bariátrica para remissão do diabetes

Antes com o diabetes descontrolado, Vecina viu a doença regredir logo após a cirurgia bariátrica e hoje não precisa mais dos medicamentos para reduzir a glicemia.

Sem a manifestação da doença, o médico também se afastou dos riscos e consequências de uma glicemia alta, que vão desde problemas cardíacos até perda de visão.

O endocrinologista Renato Zilli, do Hospital Sírio-Libanês, explica que a cirurgia bariátrica não cura o diabetes, mas sim pode levar a uma remissão em muitas pessoas. Essa remissão, que acontece mais frequentemente em uma outra técnica cirúrgica chamada bypass gástrico, costuma ser mais eficaz se a pessoa não é diabética há muito tempo.

“Com o passar do tempo, os diabéticos vão perdendo as células que produzem insulina. Quando se descobre o diabetes, a pessoa já perdeu mais da metade delas”, afirma Zilli.

Se a cirurgia for feita não muito tempo depois do diagnóstico, as células ainda têm capacidade de produzir esse hormônio que retira o açúcar do sangue.

Por isso, o controle do diabetes na cirurgia bariátrica é considerado remissão, pois se a pessoa voltar a engordar, por exemplo, a chance do diabetes voltar também é alta.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.