Coração e Vida | Melanoma: entenda o câncer que vitimou o cantor Roberto Leal

Melanoma: entenda o tipo de câncer que vitimou o cantor Roberto Leal

Agressivo, câncer de pele tem alta incidência de metástase. Saiba como atua e como é possível se prevenir:

17.09.2019 | por Equipe Coração e Vida

 

FOTO: shutterstock

FOTO: shutterstock

O melanoma, tipo de câncer de pele que causou a morte do cantor Roberto Leal no último domingo 15 é menos comum; porém, bastante agressivo.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), embora o câncer de pele seja o mais frequente no Brasil e corresponda a cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no país, o melanoma representa apenas 3% das neoplasias malignas do órgão.  Mas, por ter alta incidência de metástase (disseminação do câncer para outros órgãos) é o tipo mais grave da doença de pele — no caso do artista,  alcançou o fígado e levou a uma insuficiência hepato-renal fatal.

Dermatologista da equipe do Hospital Israelita Albert Einstein, Mário Grinblat destaca que quanto mais cedo o melanoma é descoberto, melhores são as chances de tratamento dos pacientes. Por isso, é importante que manchas e pintas na pele sejam investigadas — principalmente as que apresentem irregularidade, como assimetria e cores variáveis.

“Hoje é possível fazer uma dermatoscopia, exame não invasivo capaz de mapear todas as pintas do corpo, e saber com precisão se há ou não risco de apresentarem complicações no futuro”, explica o médico.

Em caso de ser detectado, o melanoma pode ser retirado em cirurgia. Com o diagnóstico precoce, há mais chances de remover todas as células doentes, reduzindo o risco de ocorrer metástase. Dependendo do estágio da doença, o tratamento também pode ser feito com quimioterapia ou imunoterapia.


Prevenção
De acordo com o especialista, a doença está relacionada à exposição excessiva ao sol. “É preciso moderar essa exposição, usar filtro solar e todos os outros acessórios que previnem irradiação ultravioleta do sol, como chapéus e roupas protetoras”, afirma. Mário explica, ainda, que é importante saber que as pintas podem aparecer em qualquer parte do corpo. Pessoas de pele muito clara devem redobrar os cuidados, uma vez que são mais propensas a desenvolver a doença.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.