Coração e Vida | Mitos e verdades sobre o HIV - Coração e Vida

Mitos e verdades sobre o HIV

Desde o temor em compartilhar toalhas até a descoberta imediata do vírus após o contágio: veja o que procede ou não quando se trata do assunto

9.02.2018 | por Eli Pereira - Equipe Coração e Vida

Muita fantasia gira em torno do HIV e sobre como ele é transmitido. O infectologista do Hospital Villa Lobos da Rede D’Or São Luiz Cláudio Roberto Gonsalez e o ginecologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo Jairo Iavelberg explicam se há fundamento em muitos dos casos.

Especial do mês: Vai cair na folia no Carnaval? Deixe a camisinha participar da festa
Você sabia… Que os casos de infecção por HIV aumentaram entre os jovens

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

O vírus do HIV está na saliva, logo vou pegar se beijar alguém?

Parcialmente verdade – De acordo com Gonsalez, é possível, sim, pegar HIV pelo beijo, mas essa possibilidade é muito remota. Só aumenta a chance se a pessoa tiver lesões na boca, como aftas, que vão facilitar a entrada do vírus. A saliva, no entanto, tem poucos vírus e só muito azar para infectar.

Iavelberg alerta que em qualquer contato de secreção biológica direta – como saliva, sangue, sêmen ou secreção vaginal é possível contrair o vírus HIV.

A mãe com HIV sempre vai passar o vírus para o filho durante a gestação?

Mito – O infectologista explica que a principal via de transmissão do vírus é o momento do parto normal. A chance é maior porque ele entra em contato com o sangue da mãe, e nesse caso a cesárea diminui o risco. Mas o que interfere mesmo, de acordo com ele, é a carga viral da mãe. As que estão fazendo o tratamento com os antirretrovirais, por exemplo, e não tem quase nenhum vírus circulante no sangue, a chance de passar para o filho é muito baixa. Se a mãe estiver sem tratamento, no entanto, o risco existe.

É certeza de quem tem parceiro soropositivo vai pegar HIV em algum momento da vida?

Mito – Não necessariamente vai pegar, explica o médico. Gonsalez conta que isso depende da quantidade de vírus que o parceiro tem, já que o tratamento com antirretrovirais pode diminuir a carga viral e diminuir a chance de contágio. O ginecologista explica que é preciso evitar o contato com as secreções biológicas, e que isso é feito por meio do preservativo – feminino ou masculino.

Se eu tenho HIV, posso ter relações sexuais sem preservativo com outra pessoa com HIV que vai ficar tudo bem?

Mito – Erra quem pensa que se tem HIV não precisa mais se preocupar em ter relações sexuais com outras pessoas também com HIV. “Às vezes, o vírus que não está provocando danos para um indivíduo, pode provocar uma piora de quadro para o outro. São vírus diferentes, resistências diferentes e características diferentes”, alerta Gonsalez. “É a interação entre o vírus e o indivíduo que vai fazer ele desenvolver a Aids.”

Iavelberg explica que já se sabe que há dois tipos de vírus HIV, e que essa infecção pelos dois ao mesmo tempo é mais grave. “A infecção com uma contaminação recidivante também pode aumentar a carga viral, portanto, mesmo nessas pessoas que são soropositivas, devemos orientar o uso de preservativos durante as relações.”

Se eu for atacado por alguém com uma seringa, na rua, vou pegar HIV?

Parcialmente verdade – Se a seringa estiver contaminada com o vírus, há, sim, a chance de contrair o HIV, explica Gonsalez. Embora a chance seja baixa, é preciso fazer a profilaxia pós-exposição imediatamente após o acidente, que são medicamentos que evitam o contágio do HIV.

Consigo descobrir que me infectei com o HIV imediatamente após o contato com o vírus?

Mito – De acordo com Iavelberg, não é possível descobrir que contraiu o HIV logo após a exposição. Isso acontece porque não há exames para detectar a presença do vírus no organismo, mas sim dos anticorpos que estão reagindo a eles. E é aí que mora o problema: a produção desse anticorpo, de acordo com o médico, demora para acontecer. O período, que varia entre 45 dias e um ano, é o que dificulta o diagnóstico. “É o que chamamos de janela sorológica. Nesse período, a pessoa contaminada está com o vírus, mas não consegue fazer o diagnóstico e, consequentemente, o tratamento. E está transmitindo o vírus para outras pessoas.”

Logo, quem teve potencialmente contato com o HIV – seja em uma relação desprotegida ou em algum outro tipo de acidente – deve se dirigir imediatamente a um posto de saúde ou hospital para fazer a profilaxia pós-exposição, que reduzem as chances de infecção pelo vírus.

Vou pegar HIV se usar toalhas de alguém que tem o vírus?

Mito – Gonsalez esclarece que não se pega HIV ao compartilhar toalhas. “Só se pega se o sangue estiver vivo e preservado, pois o vírus está dentro da célula que está dentro do sangue. Em uma agulha, por exemplo, o risco existe, já que o sangue se mantém viável dentro do orifício, e está protegido do calor ou ressecamento”, explica. Não é o caso das toalhas, por exemplo.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.