Coração e Vida | Mudança de hábito: vegetarianismo ou veganismo?

Veja dicas para uma transição tranquila para o vegetarianismo ou veganismo

Saiba como adotar uma alimentação sem carne de forma saudável e sem estresse

29.04.2019 | por Equipe Coração e Vida

Por Mônica Pileggi

Seja pela busca de uma vida mais saudável e sustentável ou por preocupação com o bem-estar dos animais, a alimentação que exclui a proteína animal do cardápio tem ganhado cada vez mais adeptos. De acordo com a Sociedade Vegetariana Brasileira, em 2018 foram contabilizadas cerca de 67 milhões de refeições à base de vegetais e, isso, durante apenas um dia da semana.

De acordo com a nutricionista Isabella Del Moral, a alimentação vegetariana é mais “fácil” de adotar, se considerada a ingestão de proteínas. “Isso porque há o consumo de ovo, leite e queijos, que são fontes de proteínas”. No entanto, é preciso ter cautela, pois esses alimentos, se consumidos em excesso, têm potencial inflamatório.

O segredo da boa alimentação está no equilíbrio - Foto: Shutterstock

O segredo da boa alimentação está no equilíbrio – Foto: Shutterstock

Isabella explica que o vegetarianismo é divido em quatro tipos:

– Ovolactovegetarianismo: além dos vegetas, permite o consumo de ovos, leite e derivados do leite;

– Lactovegetarianismo: a alimentação de origem animal se restringe ao consumo de leite e derivados;

– Ovovegetarianismo: proteína animal presente apenas no consumo de ovos;

– Vegetarianismo estrito: não utiliza nenhum produto de origem animal na sua alimentação.

Além dessas quatro formas de vegetarianismo existe o veganismo, cuja motivação extrapola a alimentação e bane o consumo de qualquer produto que gere a exploração ou sofrimento animal.

“Isso engloba a eliminação de toda e qualquer forma de exploração animal, não apenas na alimentação, mas também no vestuário, em testes, na composição de produtos diversos, no trabalho, no entretenimento e no comércio”, completa Isabella.

Mas, substituir a proteína animal pela vegetal é um processo que pode levar tempo para o corpo se acostumar com a nova rotina, mas pode ser adotada em qualquer fase da vida.

“A escolha é muito pessoal, mas é interessante começar pelo vegetarianismo para adaptação e depois passar para o veganismo”, aconselha a nutricionista.

Para quem deseja  tornar-se  vegetariano é importante começar com a exclusão de todas as carnes (peixe e frutos do mar, carne vermelha e frango), substituindo as proteínas de forma adequada.

Segundo Isabella, uma das maiores fontes de proteína vegetal é a combinação de cereais e leguminosas. “Um exemplo clássico é o arroz e o feijão. Os dois  se complementam e fornecem todos os aminoácidos essenciais presentes nas carnes”, diz a nutricionista.

Outra dica importante para aqueles que desejam adotar uma alimentação sem carne é consumir as fontes de ferro e cálcio encontradas nos vegetais verdes escuros como couve, espinafre, escarola, rúcula, agrião e brócolis.

Isabella explica que para o veganismo o procedimento de transição é o mesmo que o do vegetarianismo. “Porém, com a exclusão de leite e derivados e ovos. Salientando a importância de procurar um profissional para fazer a adequação necessária”, destaca.

+ Leia também: Alimentação vegetariana para crianças é indicada?

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.