Coração e Vida | No Dia Mundial de Lipodistrofia, Coração & Vida faz alerta à doença rara

No Dia Mundial da Lipodistrofia, Coração & Vida faz alerta à doença

Mal atinge principalmente pacientes HIV positivo

31.03.2016 | por Equipe Coração e Vida

Definida como a ausência total ou parcial de células de gordura em determinadas partes do corpo, a lipodistrofia pode ser provocada por herança genética, doenças autoimunes (o corpo reconhece as células de gordura como “inimigas” e as destroem) ou até por uso de algumas medicações.

A doença atinge, principalmente, pacientes soropositivos. É um processo duro de lidar para quem já está abalado com o diagnóstico de HIV positivo – mas a lipodistrofia precisa ser melhor conhecida para ser devidamente combatida.

Associação lança campanha de conscientização

Associação lança campanha de conscientização

Com esse mal, o corpo do paciente passa a distribuir e a absorver as gorduras de forma diferente. Costuma surgir em regiões como pernas, nádegas, face e membros, locais onde ela tende a diminuir, enquanto no abdômen, nuca e peito a tendência é aumentar.

“Além disso, a lipodistrofia provoca algumas mudanças não visíveis, como o aumento do nível de açúcar no sangue. Portadores da disfunção ficam, assim, mais vulneráveis ao desenvolvimento da diabetes e aumento de triglicérides”, explica João Eduardo Nunes Salles, professor da Faculdade de Medicina da Santa Casa São Paulo e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

No início, acreditava-se que a disfunção, no caso dos portadores de HIV, era um efeito colateral do uso dos medicamentos antirretrovirais. Atualmente, sabe-se que as causas da lipodistrofia dependem de vários aspectos – vão dos remédios contra a Aids em si, mas também o tempo de infecção, a idade do paciente, o tempo que se faz uso dos medicamentos e outros fatores.

É uma condição comum, portanto, a pessoas portadoras do vírus do HIV. Nem todas desenvolvem a lipodistrofia, mas a doença, infelizmente, é algo frequente nesses casos. Seu aparecimento é influenciado, inclusive, por condições de saúde anteriores do indivíduo – como níveis elevados de colesterol, por exemplo, que tornam maiores as chances de o paciente apresentar a lipodistrofia.

O Brasil é campeão de um dos tipos da doença não associada ao HIV, a lipodistrofia congênita (com muitos casos localizados no Nordeste do país).

“Por causa das transformações que causa no organismo, é importante que a pessoa portadora converse com o médico que já faz seu acompanhamento clínico – no caso dos soropositivos, o infectologista – e que procure um endocrinologista”, lembra João Eduardo.

São os especialistas que podem tomar medidas para prevenir e tratar os efeitos – e são eles que esclarecerão melhor cada indivíduo para que, em hipótese alguma, por medo da lipodistrofia associada aos antirretrovirais, ele abandone o tratamento contra o HIV.

Pode parecer que se trata apenas de “cuidar da aparência” do paciente, mas a verdade é que a autoestima e disposição dos soropositivos e de qualquer outro portador é algo a ser muito observado e cuidado.

Alimentação balanceada e prática de exercícios físicos fazem diferença na prevenção da lipodistrofia. A doença pode até surgir assim mesmo, mas é mais provável que apareça de forma mais controlada – já que os exercícios físicos diminuem os níveis de gordura no sangue, melhorando também a condição geral da saúde.

Já a alimentação correta é essencial porque atua no bom funcionamento dos intestinos e na absorção dos medicamentos. Recomenda-se comer de 3 em 3 horas, de preferência frutas, verduras, cereais, legumes, e beber muito líquido – evitando frituras e alimentos gordurosos de modo geral.

A Associação Paulista dos Familiares e Amigos dos Portadores de Mucopolissacaridoses e Doenças raras (APMPS) lançou uma campanha em parceria com outras entidades de saúde para conscientizar a população sobre a importância do Dia Mundial da Lipodistrofia, lembrado no dia 31 de março. As ações buscam informar o público leigo sobre a doença rara.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.