Coração e Vida | Novembro azul chegou: não se esqueça de cuidar da próstata

Novembro azul chegou: não se esqueça de cuidar da próstata

Campanha do Novembro Azul relembra a importância de verificar a saúde da próstata para detectar câncer em estágio inicial

1.11.2018 | por Eli Pereira - Equipe Coração e Vida

Todo ano é a mesma coisa: assim que adentra o mês de novembro, os monumentos são iluminados de azul, os urologistas passam a receber mais ligações e os homens que se esqueceram de fazer seus exames anuais se lembram de que precisam dar uma olhada na saúde da próstata. É a campanha do Novembro Azul, que vem para lembrar da importância do diagnóstico precoce de câncer de próstata, afinal, a incidência é de 68 mil novos casos por ano, de acordo com estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

É preciso fazer exames específicos uma vez por ano a partir de 48 anos ou, para quem tem pai ou irmão com a doença, começar a investigar já com 45 anos - Foto: Shutterstock

É preciso fazer exames específicos uma vez por ano a partir de 48 anos ou, para quem tem pai ou irmão com a doença, começar a investigar já com 45 anos – Foto: Shutterstock

E é fácil cuidar dessa glândula. O urologista William Nahas, do Hospital Sírio-Libanês explica que há exames que detectam se algo está errado bem antes de ele passar a afetar o organismo. “Detectamos por meio de exames rotineiros, marcadores sanguíneos e exame de toque”, diz o médico, ressaltando que, na década de 80, a maior parte dos casos eram diagnosticados quando já havia metástase, coisa que diminuiu atualmente pela maior adesão dos homens aos exames de rotina.

“Ainda existe um grande preconceito sobre o exame de toque, mas é um exame necessário e que dura no máximo quatro segundos”, tranquiliza o médico. Por meio desse exame, o médico consegue avaliar a saúde da próstata, complementando com um exame de sangue (PSA) para fechar o diagnóstico.

Exames devem ser feitos uma vez por ano

O médico lembra que é preciso fazer exames específicos uma vez por ano a partir de 48 anos ou, para quem tem pai ou irmão com a doença, começar a investigar já com 45 anos. “O crescimento do câncer é muito lento, então o intervalo de um ano é adequado para fazer o diagnóstico e tratar de uma forma ainda precoce”.

O especialista ressalta que é ideal que aos 40 anos o homem faça o PSA, exame de sangue que detecta possíveis alterações na próstata. Se o resultado estiver dentro dos padrões, o rastreamento só começa aos 48 ou, no caso de quem tem antecedentes familiares, aos 45.

Leia também: Quando o câncer de próstata chega cedo demais

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.