Coração e Vida | Novembro azul: exame de sangue poderá substituir biópsia para câncer de próstata

Novembro azul: exame de sangue poderá substituir biópsia para câncer de próstata

Estudo apresentou mais de 90% de precisão no diagnóstico, mas ainda requer pesquisa. Especialista explica a novidade:

1.11.2019 | por Equipe Coração e Vida
FOTO: shutterstock

FOTO: shutterstock

Acaba o ‘Outubro Rosa’ e o primeiro dia de novembro dá início ao mês de conscientização sobre o câncer de próstata.

E para enfatizar a campanha mundialCoração&Vida traz novidades sobre o tema. Entre elas, um estudo da Universidade Queen Mary, de Londres, mostrou que um novo exame de sangue poderá ser capaz de detectar a presença do câncer de próstata — a segunda doença mais comum no Brasil.

De acordo com os pesquisadores do trabalho, o teste pode evitar que homens passem por biópsias desnecessárias — o que, na maioria das vezes, gera resultado negativo. Durante o trabalho, os especialistas avaliaram 98 pacientes na fase de pré-biópsia, e 155 pacientes recém-diagnosticados com câncer de próstata.

A inovação fica por conta da tecnologia capaz utilizada para de identificar células tumorais circulantes no organismo através de um simples exame de sangue. Durante o trabalho neste grupo alcançou, a precisão do exame foi acima de 90% para identificação da doença.

Urologista do Hospital Sírio-Libanês e diretor da clínica Androscience, Jorge Hallak é otimista em relação à novidade, mas explica que ainda requer mais testes. “E é um exame caro, que deverá ter alguns critérios para indicação”, explica o médico.

Mais: 
Crescimento benigno da próstata: problema atinge até 25% dos homens na meia idade

O câncer de próstata é o segundo mais comum no Brasil – perdendo apenas para o câncer de pele. Quando diagnosticado precocemente, a doença tem 90% de chances de cura. De acordo com o especialista, na fase inicial, não há sintomas. No estágio avançado, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada e/ou insuficiência renal.

Para detecção precoce, o toque retal de rotina continua sendo necessário, juntamente com a dosagem de PSA (exame de sangue complementar). O teste deve ser feito anualmente por todos os homens, a partir de 50 anos. Para quem tem histórico familiar de câncer, no entanto, deve ser iniciado por volta dos 40.

O tratamento depende do estágio do tumor, mas pode incluir cirurgia, radioterapia e terapia hormonal.

Mais:
Quando o câncer de próstata chega cedo demais

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.