Coração e Vida | Oferecer certos alimentos às crianças pode evitar alergias - Coração e Vida

Oferecer certos alimentos às crianças pode evitar alergias

E vale o alerta: deixar de oferecer glúten aos pequenos aumenta o risco de doença celíaca

18.05.2018 | por Eli Pereira - Equipe Coração e Vida

Pais que deixam de oferecer um certo alimento recomendado pelo pediatra ao bebê por ideologias ou porque acreditam que pode fazer mal, podem estar expondo a criança a um risco maior de alergias alimentares no futuro.

Não há dúvida de que é preciso ter cuidado com a alimentação dos bebês. No entanto, é necessário respeitar as recomendações dos pediatras em vez de impor modismos de alimentação adulta aos pequenos.

A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda aleitamento materno exclusivo até os seis meses – e, a partir dessa idade, a introdução de outros alimentos selecionados.

Introduzir na alimentação das crianças alimentos como o ovo influenciam no não desenvolvimento de alergia, segundo especialistas. Foto: Shutterstock

Introduzir na alimentação das crianças itens como o ovo influencia no não desenvolvimento de alergias, segundo especialistas. Foto: Shutterstock

 

Se alimentos forem oferecidos ao bebê antes dos seis meses de vida, o organismo pode não lidar bem com o produto, podendo aumentar as chances de alergia (como é o caso do mel).

No entanto, se determinado alimento deixar de ser oferecido na época certa, o risco aumenta novamente. Veja abaixo três exemplos dessa questão.

 

Glúten

Há pais que consideram que o glúten é nocivo e não oferecem essa proteína à criança. No entanto, postergar o contato com o glúten pode aumentar a chance de uma alergia no futuro –  inclusive de doença celíaca, de acordo com Cylmara Gargalak Aziz, pediatra do Hospital Sírio-Libanês.

 

Peixe

Crianças que não são expostas ao peixe entre o 6º e 7º mês de vida têm mais chances de não tolerar esse alimento no futuro. “A criança que não foi exposta ao peixe nesses meses tem mais risco de ter dermatite atópica do que aquelas que receberam o alimento”, explica Cylmara.

 

Ovo

O ovo – nunca cru, pelo risco de contaminação por Salmonella – deve ser introduzido na alimentação da criança no 6º mês de vida. Quando a criança é apresentada ao ovo já mais velha, Cylmara lembra: existem estudos relatando que aquelas não-expostas na idade recomendada têm mais chances de ter otite de repetição.

 

Texto
Thassio Borges

 

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

 

Leia mais:

Glúten e lactose: novos vilões alimentares?

 

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.