Coração e Vida | Outubro rosa: índice de câncer de mama em homens segue em alta

Coração e Vida

Outubro rosa: índice de câncer de mama em homens segue em alta

Ainda que considerado raro, somente no Brasil, 600 novos casos deverão ser diagnosticados neste ano. Saiba identificar os sinais:

22.10.2019 | por Equipe Coração e Vida

shutterstock_1511719895__HRosa

Nem todo mundo sabe, mas câncer de mama não é uma doença que acomete apenas mulheres. Estima-se que para cada 100 mulheres diagnosticadas com a doença, 1 homem receba o mesmo diagnóstico. Um dos possíveis fatores que explicam tamanha diferença é que homens também têm tecido mamário e hormônios femininos, mas em menor quantidade. Tal diagnóstico é incomum, sim, mas não menos preocupante.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa é que, somente em 2019, haja 600 novos casos de câncer de mama masculino – sendo que aproximadamente 200 homens morrem anualmente em decorrência da doença. De acordo com estudo epidemiológico  publicado na revista do Instituto Adolfo Lutz, de 2009, a incidência da doença em homens já havia aumentado significativamente (de 0,86 a 1,06 por 100.000 homens) ao longo dos últimos 26 anos. Fatores ligados ao estilo de vida urbano, com maior índice de obesidade e sedentarismo contribuem para que a incidência da doença esteja em alta no mundo.

Mais:
Outubro Rosa: câncer de mama mata cerca de 14 mil mulheres anualmente no Brasil

No início do mês, o assunto ganhou ainda mais atenção após o pai da cantora americana Beyoncé, o empresário Mathew Knowles revelar (durante entrevista ao programa matinal americano Good Morning America) que havia sido diagnosticado com a doença.

Assim como acontece em mulheres, o tumor que acomete homens se forma a partir da reprodução desordenada das glândulas mamárias. No sexo masculino, pode acontecer mais tardiamente, acima dos 60 anos. Acredita-se que homens, cujo histórico familiar da doença seja comprovado (ainda que tenha acometido mulheres da família), tenham mais chances de desenvolver câncer de mama.

Mastologista e Professor Livre Docente da Faculdade de Medicina da USP, Alfredo Barros explica que, pelo fato de não haver indicação de mamografia de rastreamento para este público, a doença no sexo masculino, normalmente, é descoberta em estágio mais avançado. “As mulheres que fazem o exame podem encontrar tumores extremamente pequenos, mais fáceis de serem tratados. Já entre os homens, a descoberta costuma acontecer no tato, ou seja, quando o tumor tem, pelo menos, 1 centímetro. Não tão precocemente”, diz o especialista. Por isso, é preciso estar atento.

Mais:
Passo a passo para o autoexame da mama

Sinais como caroço palpável em uma das mamas, ou sangue saindo pelas papilas mamárias, são indicativos para a busca de um mastologista. O tratamento da doença é similar ao que é feito em mulheres. Dependendo do estágio da doença, pode ser feito com cirurgia, quimioterapia, radioterapia, hormonioterapia e/ou terapia biológica.

É importante lembrar que apenas 10% dos casos da doença então relacionados à hereditariedade – os outros 90% estão associados a questões ambientais e à obesidade. Por isso, uma forma de prevenção é adotar hábitos de vida saudáveis, com alimentação balanceada e prática regular de exercícios físicos.

Revisão técnica 
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.