Coração e Vida | Por uma maternidade mais livre - Coração e Vida

Por uma maternidade mais livre

Pediatra espanhol defende afeto sem limites e respeito às crianças

6.12.2016 | por Camila Sotério - Equipe Coração e Vida

Ser pai e mãe não é fácil, nunca foi. Mas talvez a sociedade tenha complicado demais esse papel nas últimas décadas, com regras, digamos, absurdas. Essa é a opinião do pediatra espanhol Carlos González.

Especial do mês – Artigo: Quando suspeitar que seu filho está com algum problema no coração?
Você sabia… Que a alimentação saudável deixa as crianças mais inteligentes?

Defensor do afeto sem limites, do aleitamento materno sob livre demanda, da cama compartilhada, da inutilidade do castigo e do respeito às crianças, o especialista, que é pai de três filhos, tem uma percepção diferente sobre o tema e ideias que vão contra a rigidez de muitos profissionais e fontes tradicionais de informação, a começar pela alimentação.

“Todas as crianças, como os animais, sabem como comer. Ninguém tem que ensinar a um cervo que sua dieta deve ser de grama, ninguém tem que ensinar um leão que sua dieta deve ser de carne. Cada animal come instintivamente o melhor que puder”, explica González.

O pediatra espanhol Carlos González - Foto: Divulgação

O pediatra espanhol Carlos González – Foto: Divulgação

Para o especialista, a responsabilidade dos pais é ter comida saudável em casa. Entre a comida saudável que você oferece, a criança tem direito a escolher o que quer comer e a quantidade que deseja.

“Muitas vezes eliminamos, sistematicamente, qualquer possibilidade de a criança escolher o que comer. Nós a ensinamos a comer exatamente o que queremos, ela querendo ou não, com fome ou não”, destaca o especialista, descartando, com isso, a possibilidade de a criança se alimentar de acordo com a demanda de seu organismo.

Autor de mais de sete livros, entre eles “Manual Prático do Aleitamento Materno”, Bésame Mucho – Como Criar Seus Filhos Com Amor” e “Meu Filho Não Come!”, Carlos González falou ao site Coração & Vida sobre a última obra, lançada recentemente em português. Confira abaixo a entrevista:

Coração & VidaHoje a alimentação é o tema central da discussão familiar, muitas vezes quando ela já é um problema. O que fazer para que isso não seja um problema?

Carlos González – Na verdade, é muito simples evitar problemas de alimentação, basta começar desde cedo. Como, por exemplo, permitir, a partir dos seis meses, que o próprio bebê pegue a comida e a leve até a boca. Não insistir, não forçar, não colocar comida em sua boca.

Além disso, fornecer, desde o início, alimentos saudáveis. O mesmo que comem seus pais, que também deve ter uma alimentação saudável, porque dar a um bebê uma refeição diferente de seus pais é inútil. Não faz sentido oferecer durante seis e doze meses legumes sem sal, frango grelhado e frutas, se depois de dois anos vão beber refrigerante e comer biscoitos, doces e salgadinhos.

C&V – Teremos desaprendido a comer? Como isso influencia nossa vida?

CG – Exatamente, desaprendemos a comer. Todas as crianças, como todos os animais, sabem como comer. Comem instintivamente o melhor que puderem, mas frequentemente refutamos sistematicamente qualquer possibilidade de elas escolherem o que comer. Aquela criança que não come há anos o que quer, mas sim o que lhe disse a sua mãe, talvez não seja capaz aos 15 anos de tomar suas próprias decisões. Vai sempre olhar para alguém para que lhe digam o que comer. Porém, não será para a sua mãe ou para o médico. Vai comer o que é anunciado na TV, vai seguir a dieta da moda: “como perder dez quilos em um fim de semana”, “operação biquíni”, “conheça os segredos das estrelas para perder peso”… Um desastre!

C&V – Qual o impacto da publicidade e até mesmo dos pediatras, com a prescrição de fórmulas e complementos, na alimentação infantil?

CG – O impacto é terrível. Escreva no papel todos os comerciais de alimentos que você vê na TV em um dia, e veja qual dieta que sairá. Um desastre! Além de ser um motivo para não assistir muita televisão e pedir uma legislação que impeça a publicidade na programação infantil.

Quase todos os alimentos anunciados na televisão são de má qualidade. Bebidas açucaradas, doces, biscoitos, salsichas, batatas fritas, alimentos processados ​​e pré-cozidos – geralmente com muito mais sal, gordura e açúcar do que quando preparados em casa – precisam ser anunciados, porque se não o forem não serão vendidos. Em vez disso, são vendidos a cada ano milhares de toneladas de grãos, vegetais, frutas, peixes, sem qualquer anúncio.

C&V – Apesar da reclamação de muitos cuidadores de que as crianças não comem, a obesidade infantil já chega a 2 milhões de casos por ano no Brasil. Onde essa conta não fecha?

CG – Está muito claro. Muitos pais têm uma ideia exagerada sobre o que uma criança deve comer. Eles acreditam que a criança “não come nada”, quando a criança já está obesa. E devemos reconhecer que os médicos tiveram grande parte da culpa, recomendando por décadas quantidades muito maiores do que a comida necessária, insistindo que a criança “tem que comer”.

C&V – Há uma sobrevalorização da alimentação infantil, em que se espera que a criança coma muitas coisas saudáveis, mas que acaba não refletindo na sociedade onde essa criança viverá?

CG – Exatamente! Foi o que disse antes, de nada serve tentar dar a uma criança uma dieta saudável se dentro de um ano ela comerá a mesma comida que seus pais, e seus pais comem mal. O importante é mudar a alimentação de toda a família, de toda a sociedade. Acabar com bebidas açucaradas, parar de adicionar o açúcar em todos os lugares. Lembrando que muitos alimentos industrializados têm açúcar, como salsicha, leite, pão, alimentos pré-cozidos, refrigerantes e sucos. Mesmo uma família que acredita que não usa muito açúcar, provavelmente, já ultrapassa a dose aceitável de consumo. Não se trata de preparar uma comida especial para o bebê, sem sal ou com pouco açúcar, mas sim que toda a família tenha uma alimentação com pouco sal e açúcar, e, assim, o bebê possa comer desde o primeiro momento o mesmo que seus pais.

C&V – Como “resgatar” uma criança que já está seletiva e recusando alimentação?

CG – Rejeitar certos alimentos é normal em crianças. Normalmente, os bebês comem de tudo, incluindo papel de jornal e terra do chão. Mas, após um ano ou dois, estão se tornando cada vez mais seletivos, rejeitando os alimentos que uma vez gostavam, até que chegam a um “menu infantil” típico.

Isso é normal, o que se deve fazer é nunca os forçar a comer, não insista, não faça promessas, não ofereça prêmios. Isso não significa que devam comer macarrão todos os dias. Simplesmente no dia que há macarrão a criança diz “que bom” e come mais; enquanto no dia de lentilhas ou espinafres a criança dirá “Argh, lentilhas, sempre lentilhas!”, e coma menos. Se não quiser comer, que não coma, ou que coma outra comida que tenha na refeição, ou mesmo a sobremesa.

“Ah, mas não quero que ele coma tanto bolo”. Então não ofereça bolo, ofereça frutas, e a criança poderá comer quantas quiser, mesmo que não tenha comido o prato principal. No entanto, se os pais comprarem refrigerantes, bolos, salgadinhos e doces, os filhos comerão isso.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.