Coração e Vida | Primeiros-socorros em crianças: engasgo e queimadura

Primeiros-socorros em crianças: engasgo e queimadura

Atendimento inicial por pais ou responsáveis pode ser determinante para evitar maiores problemas

24.10.2018 | por Equipe Coração e Vida

Por Thassio Borges

São inúmeras as situações emergenciais com as quais os pais podem se deparar quando se tratam de crianças, especialmente aquelas mais novas. Coração & Vida consultou Flávia Nassif, pediatra do Hospital Sírio-Libanês, para explicar, de forma prática, o que deve ser feito imediatamente diante das principais ocorrências envolvendo os pequenos.

Mas, lembre-se: estas são situações emergenciais, quando o primeiro contato com a criança é feito inevitavelmente pelos pais ou responsável. “O mais importante em todas as situações é investirmos na prevenção. Diante desses acidentes domésticos, mantenha a calma e tente seguir essas recomendações. São situações que com certeza preocupam e assustam os pais, mas servem como aprendizado para não acontecerem novamente no futuro”, afirma Nassif.

Agir rápido é fundamental para evitar que algo grave aconteça com a criança - Foto: Shutterstock

Agir rápido é fundamental para evitar que algo grave aconteça com a criança – Foto: Shutterstock

Veja abaixo como intervir em situações emergenciais com as crianças: 

Engasgos

Quando um corpo estranho (líquido ou sólido) chega à traqueia, o ar acaba sendo obstruído total ou parcialmente. Em bebês, geralmente ocorre por causa de líquidos, enquanto crianças maiores podem apresentar problemas com sólidos, desde alimentos e até pequenos objetos. Saiba como agir:

1 – Criança está tossindo: nesse caso, não se deve intervir;

2 – Criança engasgou, não consegue falar ou tossir, apresenta lábios arroxeados e leva as mãos ao pescoço: independente da faixa etária, retire o objeto da boca da criança se ele estiver evidente. Nunca retire às cegas. Em crianças maiores de um ano, posicione-se atrás dela, explique de forma sucinta o que será feito e inicie as compressões abaixo do diafragma. Posicione uma mão fechada, encoberta pela outra, entre o umbigo e a extremidade inferior do osso do peito da criança e realize compressões em trancos para dentro e para cima. Deve-se repetir a manobra até o objeto ser expelido ou caso ocorra perda de consciência. Esses movimentos são conhecidos como manobra de Heimlich.

Em crianças menores de um ano, o socorrista deve primeiramente sentar, apoiar o ventre do bebê no antebraço com a cabeça mais baixa que o corpo, mantendo a boca aberta com os dedos. Nesta posição, aplicam-se cinco golpes nas costas do bebê. Vire-o na sequência com a barriga para cima e aplique cinco compressões no osso do peito da criança (logo abaixo da linha imaginaria traçada entre os mamilos). Repetir o ciclo ate o objeto ser expelido ou o bebê perder a consciência.

3 – Criança engasgou e perdeu a consciência: posicione-a numa superfície rígida, com a barriga para cima. Abra a boca e retire o objeto com os dedos em forma de pinça, caso ele esteja visível. Observe se a respiração da criança se reestabelece. Caso o objeto não seja visualizado ou a vitima não respirar, deve-se proceder com a respiração boca a boca, com duas respirações de resgate. Caso ainda não haja respiração, devem-se iniciar as compressões torácicas, revezando com respiração boca a boca (30 compressões para cada duas respirações). Se houver alguém próximo solicite que chame o resgate imediatamente; do contrário, grite por socorro.

Erros comuns

– Ao ver a criança tossir, não dê tapas vigorosos em suas costas. Isso pode deslocar o objeto estranho e causar obstrução completa da traqueia.

– Não tente retirar o objeto da boca da criança às cegas. Isso pode empurrar o corpo estranho e obstruir por completo a via respiratória.

Queimaduras

A maioria das queimaduras infantis acontece na cozinha. Os tipos mais comuns são:

1 – Escaldadura: queimadura por líquidos quentes; acontece principalmente em menores de cinco anos;

2 – Contato com fogo e objetos quentes. Quando provocadas por chamas são as mais graves, atingindo maior extensão e profundidade da pele;

3 – Substâncias químicas: soda cáustica é a que representa o principal risco;

4 – Exposição à eletricidade;

5 – Exposição solar;

O que fazer em casa:

  • Retire a roupa que cobre a área queimada. Se estiver grudada, lave a região até que o tecido possa ser retirado com cautela;
  • Deixe a superfície queimada em água fria ou faça compressas frias e limpas na área acometida. A água alivia a dor, limpa, impede a extensão da queimadura e diminui o edema. Não deixe as compressas úmidas por muito tempo, já que a troca de calor pode levar à hipotermia do paciente;
  • Envolva a criança com lençol limpo, agasalhos, e encaminhe para atendimento médico.
  • Dê um analgésico para alívio da dor e ofereça líquido pela boca de forma abundante em crianças conscientes

Erros comuns

– Não passe gelo nas queimaduras;

– Não passe pomadas ou medicações caseiras;

– Não fure as bolhas em casa. Deixe o médico avaliar primeiro e, se necessário, fazer com técnicas adequadas de assepsia.

Leia também: Compressa quente ou fria? Qual é a melhor, e quando usar?

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.