Coração e Vida | Quando uma pinta pode indicar câncer de pele?

Quando uma pinta pode indicar câncer de pele?

Lesões cutâneas, bordas irregulares, coloração e tamanhos podem sinalizar a hora de buscar um profissional. Entenda:

30.11.2019 | por Equipe Coração e Vida
Aparência de pequenas lesões, mudança na colocar, simetria e bordas podem indicar a doença.  FOTO: shutterstock

Aparência de pequenas lesões, mudança na colocar, simetria e bordas podem indicar a doença.   FOTO: shutterstock

 

Por Sofia Pilagallo

Você certamente tem uma ou algumas pintinhas pelo corpo. Afinal, trata-se de pequenos tumores – na maioria das vezes, benignos – comuns, formados pelos chamados melanócitos: células que produzem a melanina; o pigmento responsável pela coloração da pele e dos pelos.

No entanto, de acordo com a dermatologista Adriana Vilarinho, a exposição ao sol a longo prazo pode transformar uma mera pinta em um carcinoma (câncer de pele) ou até em um melanoma – o tipo mais grave da doença.

Mais:
Dezembro Laranja: 5 erros mais comuns na hora de usar o filtro sola

Existem três tipos de câncer de pele: o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma. Ambos os carcinomas têm a aparência de lesões cutâneas (veja abaixo). O carcinoma basocelular, cujo nome se origina por surgir nas células basais (camada mais profunda da pele) é o mais comum dentre eles, e, em caso de detecção precoce, tem baixa letalidade. Aparece geralmente em regiões que ganham mais exposição solar, como rosto, orelhas, pescoço, couro cabeludo, ombros e costas.

Já o carcinoma espinocelular é o segundo mais prevalente. Manifesta-se nas chamadas células escamosas, que constituem a maior parte das camadas superiores da pele. Pode se desenvolver em todas as partes do corpo, embora seja mais comum nas áreas expostas ao sol, como as citadas anteriormente.

Mais:
Dezembro laranja: proteja-se contra o câncer de pele

Por fim, existe o melanoma, o tipo menos frequente, porém o mais letal dentre todos os tipos de câncer de pele. Diferentemente dos carcinomas, o melanoma tem a aparência de uma pinta e é identificado a partir de alterações no seu ‘ABCDE’ — uma espécie de ‘autoexame’ para identificar o tipo mais perigoso da doença. Consiste em analisar se houve alguma mudança visual nos seguintes aspectos da pinta: Assimetria, Bordas, Coloração, Dimensão e Espessura.

Uma pinta alterada – que pode indicar um melanoma – tem uma metade diferente da outra, bordas indefinidas, várias cores, maior que 5mm e muda rapidamente de tamanho. Se diagnosticado no início, de acordo com a especialista, melanoma tem tratamento e até mesmo cura.  “O tratamento é feito por meio de cirurgia relativamente simples, ou produtos com fototerapia para destruir a lesão”, explica.

No entanto é importante ressaltar que a prevenção se dá com filtro solar e consultas periódicas ao dermatologista. “Sempre devemos olhar as pintas pelo menos uma vez ano. Pessoas de pele clara, que tem tendência a melanoma, devem ser assíduos ao dermatologista.”

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.