Coração e Vida | Vacina contra o HIV chega em teste final

Coração e Vida

Vacina contra o HIV chega em teste final

Estudo trabalhou com conceito de imunizantes desenvolvidos a partir de “mosaico” de antígenos. Especialista explica como substância agirá no organismo:

13.12.2019 | por Equipe Coração e Vida
FOTO:shutterstock

FOTO:shutterstock

Por Sofia Pilagallo

Após décadas de trabalho, uma pesquisa para vacina contra o HIV, vírus causador da Aids, chega ao teste final. O imunizante será aplicado em 3.800 pessoas, espalhados por oito países, incluindo o Brasil. O trabalho que tornou isso possível recebeu o nome de Mosaico, cujo nome faz referência ao conceito de vacinas desenvolvidas a partir de um “mosaico” de antígenos.

Susan Buchbinder, médica, presidente do protocolo Mosaico e diretora do Bridge HIV no Departamento de Saúde Pública de São Francisco apresentou o estudo durante a 10ª Conferência do IAS sobre Ciência do HIV (IAS 2019), na Cidade do México.

O imunizante é composto por estruturas que servem como vetores de antígenos do HIV, e de importantes proteínas da estrutura do próprio vírus. Ralcyon Teixeira, infectologista e diretor médico do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, explica o mecanismo de atuação: “Essa combinação de estruturas tenta fazer com que o corpo humano produza diversos alvos contra o HIV evitando, assim, a infecção.”

O que se sabe até o momento é que serão aplicadas quatro doses. Após uma primeira aplicação, as seguintes são feitas depois de três, seis e 12 meses. O especialista ressalta “que o estudo ainda é para ver se a vacina funciona e, se funcionar, o quanto ela consegue proteger”. Caso demonstre eficácia, Ralcyon acredita “será uma importante ação para somar esforços para prevenção contra o HIV, além de uma excelente descoberta da medicina”.

O estudo Mosaico é o segundo – e maior – trabalho de eficácia para a vacina de HIV em investigação. O primeiro realizado, conhecido como Imbokodo, avalia atualmente a eficácia do imunizante em 2.600 mulheres, de 18 a 35 países do sul da África – nesses lugares, elas representam quase 60% dos casos de incidência da doença.

Mais:
HIV: novo tipo do vírus é descoberto pela primeira vez em 20 anos

Em 2018, a vacina chegou a ser testada em macacos da espécie rhesus (também conhecido como macaca mulata). Os primatas foram expostos a uma versão artificial do vírus HIV, mas que contém a mesma cadeia de moléculas do vírus humano.

De acordo com os pesquisadores envolvidos no trabalho, os resultados foram bastante satisfatórios. Quando em contato com o imunizante, o sistema imunológico dos animais começou a produzir anticorpos neutralizantes contra a cepa Tier 2 (a forma viral mais comum nas infecções do HIV em humanos).  Chegou-se, ainda, à primeira estimativa de níveis de anticorpos neutralizantes induzidos pela vacina necessários para proteger o HIV.

Mais:
Mitos e verdades sobre o HIV

Os resultados iniciais do Imbokodo e do Mosaico ainda são esperados para o final de 2021 e 2023, respectivamente. Só então os cientistas terão respostas sobre a eficácia da vacina. Ainda não há previsão de quando o imunizante chegará ao público geral.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.