Coração e Vida | Vacina tríplice viral não tem relação com autismo

Vacina tríplice viral não tem relação com autismo

Pesquisa mostrou o que todos já sabiam: a vacinação não causa autismo

13.05.2019 | por Equipe Coração e Vida

Uma pesquisa recente publicada no Annals of Internal Medicine confirmou o que já estava provado: vacinas não causam autismo. “É uma mentira, uma farsa”, explica o pediatra Nelson Douglas Ejzenbaum. “Há anos foi feito um trabalho falso, com dados que se mostraram falsos, mas aí o estrago já estava feito: muita gente começou a relacionar a vacina com o autismo”, explica o médico.

Para entender melhor a história, em 1998 um estudo com dados falsos foi publicado em uma das mais respeitadas revistas médicas do mundo. A pesquisa mostrava – fraudulentamente – que a vacina contra sarampo, rubéola e caxumba (a tríplice viral) era a causadora de autismo em alguns pacientes.

Vacinação não provoca autismo - Foto: Shutterstock

Vacinação não provoca autismo – Foto: Shutterstock

Pouco antes de submeter a pesquisa fraudulenta, o médico havia entrado com um pedido de registro de um imunizante contra sarampo, o que levou os investigadores do caso a perceberem claramente um sério conflito de interesse, pois ele teria acusado a vacina tradicional de provocar autismo e poderia lucrar com a venda do próprio imunizante.

Mesmo com a investigação provando que os dados do estudo haviam sido forjados e a revista se retratando publicamente, muitos acreditaram nessas informações e o movimento antivacina se fortaleceu ainda mais.

Para refutar mais uma vez que a vacinação não provoca autismo, os pesquisadores da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, analisaram mais de 650 mil crianças nascidas entre 1999 e 2010, com acompanhamento anual até 2013. Com os dados coletados, concluíram definitivamente que a tríplice viral não tem relação alguma com autismo.

Movimento antivacina é perigoso

Para Ejzenbaum, enquanto houver vacinas, haverá pessoas dizendo que ela não funciona – o que é errado. “Falta muito bom senso. A vacina é uma proteção, e ela não causa autismo”, diz. “Por exemplo: se alguém chega até mim para ser paciente e não quer se vacinar de forma alguma, não vou aceitar essa pessoa como paciente. Não posso me responsabilizar por isso”, conta.

O pediatra reforça que as vacinas diminuem o risco de mortalidade, aumentam a longevidade e a saúde e diminuem o risco de que alguém morra de uma doença vã. A vacina deve sempre chegar antes da doença.

A vacinação, porém, também é coisa de adulto. “Sarampo, caxumba e rubéola, por exemplo, também pode provocar uma forma grave em adultos. Todos têm de estar vacinados e protegidos”, alerta.

Veja abaixo os calendários de vacinação da Sociedade Brasileira de Imunizações e atualize sua carteirinha:

Calendário infantil

Calendário adulto

Calendário da gestante

Calendário do idoso

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.