Coração e Vida | Verão: época de infecções - Coração e Vida

Verão: época de infecções

Período costuma ser marcado por aumento de ocorrências nos ouvidos, nariz e garganta

30.01.2018 | por Thassio Borges - Equipe Coração e Vida

Ficar doente é ruim. Ficar doente durante as férias é pior ainda, pelo fato de interromper o descanso e a diversão e ter de correr a um pronto-socorro. Mas é justamente no verão que aumenta a incidência das chamadas otites externas agudas, aquelas infecções que acometem os ouvidos e causam dor e desconforto. O período também reserva alta de infecções no nariz e na garganta.

De acordo com Gilberto Sitchin, otorrinolaringologista do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, no caso das otites, o cenário é causado pela maior exposição dos ouvidos à água do mar e da piscina.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

“Geralmente, são processos bem dolorosos, que acometem apenas o conduto auditivo externo, poupando o ouvido médio [ou seja não acometem a região mais interna, por trás dos tímpanos]. Fatores de risco são a água não muito limpa, principalmente em locais superlotados na alta estação e ferimentos locais na pele das orelhas externas, por exemplo causados por cotonetes, facilitando a penetração dos agentes infecciosos”, explica Sitchin.

O médico explica que o tratamento para as otites externas agudas geralmente é feito com medicações tópicas. Para isso, no entanto, o paciente precisa evitar molhar o ouvido afetado. Ou seja, diante da ocorrência da enfermidade, é realmente necessário que a pessoa se afaste temporariamente de piscinas e praias.

De acordo com Rubens Vuono de Brito Neto, otorrinolaringologista do Hospital Sírio-Libanês, o clima quente e úmido também contribui para o aumento na incidência de otites externas.

O médico explica, entretanto, que o principal vilão deste cenário não é necessariamente a água (desde que esteja limpa), e sim as condições próprias de cada paciente.

“Normalmente, não há nenhum problema em atividades recreacionais na água em pessoas sem alterações nos ouvidos [passado de otites e perfurações no tímpano, por exemplo]”, explica.

As alterações nos ouvidos podem ser causadas, inclusive, de forma involuntária. É por isso que os médicos recomendam muita atenção com a limpeza feita no dia a dia.

“As pessoas não devem manipular os ouvidos de forma regular, seja com cotonetes, palitos ou ate mesmo a ‘pontinha da toalha’. Além de poder causar ferimentos da pele do conduto auditivo externo, facilitando a penetração de agentes infecciosos, acaba empurrando, involuntariamente, o maior volume de cerúmen para o fundo do canal, podendo obstrui-lo e tampar a audição. Quando entramos em contato com a água, este cerúmen é higrófilo, ou seja, retém a água e sofre um ‘inchaço’, o que acaba bloqueando o conduto auditivo externo, causando sensação de plenitude nas orelhas”, explica.

Neste momento, insistir com a auto manipulação pode levar a dor e infecção local. “O melhor é procurar seu médico de confiança”, complementa Sitchin.

Ambos os especialistas explicam que o indicado é procurar atendimento médico caso a pessoa esteja sentindo coceira ou dor nos ouvidos. E é claro, afastar-se da água, ao menos por hora.

Outras infecções

O verão também amplifica o número de infecções na garganta e no nariz. No primeiro caso, ocorre alta na frequência de amigdalites infecciosas devido ao aumento da ingestão de bebidas muito geladas.

Já as alergias nasais podem piorar sensivelmente devido à exposição ao cloro das piscinas. Sitchin também chama a atenção para o uso em excesso do ar condicionado no verão, por dois motivos principais.

“Primeiro, o ressecamento do ar. Se muito intenso, acaba provocando um processo irritativo na mucosa das vias aéreas e aumenta a possibilidade de infecções, sejam virais ou bacterianas. Segundo, os ambientes tendem a ficar fechados, dificultando a troca de ar e facilitando a transmissão interpessoal de agentes infecciosos de vias aéreas. A dica é não fechar completamente o ambiente, para permitir circulação de ar, além de manter a limpeza periódica dos aparelhos de ar condicionado [filtros, mangueiras, etc.]”, completa o médico.

Com poucos cuidados e muita atenção, é possível aproveitar o verão em sua plenitude!

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.